Segunda-feira negra nas bolsas asiáticas

A queda avultada da Bolsa chinesa de Xangai (8,5%) provocou quebras em catadupa nas demais bolsas asiáticas, vindo depois a propagar-se à Europa e mesmo à América. Em causa poderia estar o forte abrandamento da economia chinesa, não obstante as medidas já tomadas pelo governo de Pequim.

Tratou-se da redução mais significativa registada na Bolsa de Xangai dos últimos 8 anos. Shenzen caíu 7,6% e a Hong Kong 5 pontos percentuais.

Tóquio encerrou também com um importante recuo da actividade com uma diminuição de 4,6%.

Esta quebra veio, depois, propagar-se às bolsas europeias e americanas: Paris, Bruxelas, Frankfurt registaram uma redução na ordem dos 5%, Londres chegou aos -6 e em Atenas a bolsa perdia mesmo mais de 11% perto da hora de encerramento.

A Bolsa brasileira de São Paulo registava pouco após a abertura uma redução de 4,5%.

A desvalorização da moeda chinesa, o yuan, há duas semanas atrás, conjugada com o abrandamento da economia nacional após 10 anos de crescimento está a abalar a confiança dos investidores.

No entanto Pequim já tomara providências injectando, nomeadamente, capital em dois bancos, na semana passada ou instaurando a possibilidade que o fundo de pensão nacional possa investir até 30% dos seus activos líquidos nos mercados accionistas.

Os investidores viram-se cada vez mais para os Estados Unidos, à espera de boas notícias, onde se aguardam para quinta-feira os números do crescimento.

Jorge Silva, jornalista da Televisão de Macau, explicou à RFI este contexto de pânico nas bolsas internacionais a partir da China, sublinhando o facto de há dois meses atrás a Bolsa de Xangai ter registado uma forte quebra.

Fontes:RFI

Redação Geba Press

Editorial GebaPress equipe

Google+
Geba PRESS Contacte-nos contact@gebapress.com
Olá caro visitante! Envie-me uma mensagem e você terá a minha resposta.
Send
MENU