Programa de saúde alerta Guiné-Bissau para perigos do Ébola

A avaliação de um plano de comunicação em saúde sobre o vírus Ébola, executado na Guiné-Bissau, indicou que os guineenses perceberam que a doença pode resultar em morte sem os devidos cuidados, disse hoje a responsável pelo projeto.

Isabel de Santiago – investigadora em Comunicação em Saúde e assistente convidada no Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) – declarou que a execução do plano Guiné-Bissau foi prioritária devido à vizinhança com a Guiné-Conacri, um dos países mais atingidos pela mais recente epidemia do vírus Ébola.

O Plano de Comunicação em Saúde, executado entre janeiro e maio, formou vários membros da sociedade guineense (intermediários, profissionais da saúde e régulos/líderes tribais) para levar informação à população sobre os cuidados necessários para evitar a transmissão do vírus Ébola.

O projeto tinha como principais intervenções o treino de pontos focais, reuniões com os líderes das comunidades para a familiarização do programa, sessões educativas com os habitantes e ações envolvendo os media.

Segundo a investigadora – doutoranda em Educação e Comunicação em Ciências da Saúde na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa -, as conclusões sobre o PCS foram resultado de um inquérito de avaliação do treino/formação dos mediadores e intermediários envolvidos no projeto.

Nesta avaliação foram inquiridos 157 de indivíduos formados (82% do total da amostra) durante o programa.

No que diz respeito às áreas das mensagens apreendidas, as áreas com maior peso são a higiene pessoal (79% do total da amostra cita mensagens desta área); a transmissão (76%) e a higiene nos funerais (68%). Cerca de 47% dos inquiridos citam ainda mensagens da área de higiene das mães para com as crianças, segundo a investigadora.

“Três mensagens chave que foram determinantes para o sucesso da formação. Primeiro, evitar o contacto das mãos com o que chamados fluidos (fezes, sangue, vómitos), a necessidade de uma permanente higiene dos adultos, assim como ensinar estas práticas de higiene às crianças”, disse Isabel de Santiago.

“Outra mensagem importante passada refere-se aos cuidados de higiene e alimentação diários, nomeadamente evitar comer carnes de animais selvagens (macacos, chimpanzés, morcegos e outros vertebrados), além de ensinar às crianças que evitem comer frutas picadas (por morcegos que são um dos repositórios do vírus Ébola)”, disse a investigadora.

Segundo Isabel de Santiago, outro ponto importante era “a lavagem dos cadáveres, que deve ser feita por um profissional de saúde, um enfermeiro ou enfermeira, para evitar o contágio se o morto estiver contagiado pela doença”.

O PCS teve a orientação científica dos professores doutores José Pereira Miguel, diretor do Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública da FMUL, e Francisco Antunes, especialista em doenças infecciosas e medicina tropical do Instituto de Saúde Ambiental/ISAMB e professor catedrático emérito da FMUL.

O projeto, realizado em articulação com as autoridades competentes guineenses aos níveis nacional e local, teve ainda o apoio da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Este programa de comunicação em saúde também foi implantado em São Tomé e Príncipe e os seus resultados serão publicados posteriormente.

A epidemia do Ébola causou mais de 11 mil mortos desde o final de 2013, na sua maioria na Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria, e desorganizou os seus sistemas de saúde, destruiu as suas economias e afugentou os investidores.

Iosmir Gomes, In NM

Redação Geba Press
Editorial GebaPress equipe
Google+
Geba PRESS Contacte-nos contact@gebapress.com
Olá caro visitante! Envie-me uma mensagem e você terá a minha resposta.
Send
MENU